Páginas

domingo, 18 de abril de 2010

coisas de poeta

Dizem que todo poeta morre de amor, por amar.
Dizem que quem só segue o coração
acaba se machucando e sofrendo, e assim
aprendendo a ouvir a razão.
Entendo, porém não compreendo.
O coração é o melhor paradoxo que há
porque é ele que nos faz viver
sorrir, morrer, sofrer.
O grande mistérios dos homens,
os maiores acontecimentos da humanidade
todos acontecem por amor
e sua busca pela felicidade,
porque se ele faz sofrer
o que faz valer a pena são os bons momentos
mesmo que poucos, quase nenhum
sem eles não há sentido algum.
Quem ama demais tem a alma sofrida,
quem só vê razão não vive a vida.
Mesmo que por amar demais
por ventura eu viva chorando
vou amar cada lágrima
vou amar saber que vivo amando.
A razão protege do frio do inverno,
o amor faz tudo ser eterno.
É eterno.
É terno.
...
é amor.
Vivian Pinto
Desculpem pelo sumiço galera ;)
Bem, essa poesia eu dedico a minha vó, viva amor vovó (:
:**

6 comentários:

Marischettini disse...

Às vezes temos medo de amar, como você disse 'quem ama tem a alma ferida'. As pessoas se cansam de sofrer, pois as lágrimas se tornam sangue saindo dos olhos,o amor um tormento para alma e o que era colorido, virou preto e branco.
Mas ao mesmo tempo que há dor, há momentos de felicidade. E então um sorriso sincero no rosto, aparece.
E quando dizem que amor acaba, eu contrario dizendo que o amor é eterno e sem ele não há vida.

Adorei seu poema, beijos!

mente inconstante disse...

Eu também prefiro o amor! :)

cecilia disse...

Amor sem dúvida é eterno.E eterno mesmo quando acaba,seria possível algo assim?pro amor sim...
Beijo

Gêsa disse...

O amor faz tudo se melhor!

Rebeca Amaral disse...

Poetas, quem entende?

Belo poema, flor.

Deni Maciel disse...

poesia de primeira
vivan é puro talento
amor nas alturas
*-*

enfim
ótima semana com feriado.
tiradentes...jesus...
são todos parecidos.
ainda bem que um morreu d roupa pra saber diferenciar *-*
abraços e feliz dia do banco de onibus sem almofada...
pq viajar sentado é coisa pra poucos.. [momento protesto~]